A inteligência emocional é a capacidade de reconhecer, avaliar e lidar com as emoções suas e de outras pessoas. Simples e desafiador. Em meio a tantas atividades que nos envolve diariamente, aqueles que detém uma inteligência emocional bem desenvolvida, acaba por conseguir melhores resultados.

Quero que você pare por um instante e pense um pouco, quero que ganhe muito lendo este artigo.

As pessoas com comportamentos distintos impactam diretamente em suas emoções. Estou certo que nesse momento algumas pessoas lhe vieram a mente, seja um colega, parceiro, fornecedor ou um cliente. Sabendo disso a pergunta é: como está sua inteligência emocional para lidar com essas pessoas?

Claro, as pessoas com comportamentos semelhantes ao seu possivelmente são pessoas que você gosta de se relacionar. Elas pensam e agem de forma que te agradam. Agora, as pessoas que pensam e agem diferente ao seu modo, são as te deixam mais irritado(a), triste ou com medo, certo? Aí é que está o ponto que quero sua atenção. Você já avaliou sua inteligência emocional?

 

Existem diversas maneiras de medir esse tipo de inteligência, aqui vou compartilhar contigo como que você pode ter alguns bons insights e avaliar como anda sua inteligência emocional:

 

 

Escolha a autoavaliação para compreender como você funciona.

Estabeleça contigo um acordo onde você vai registar, em algum lugar, o que mais te afeta durante o dia, ou seja, você vai observar que te deixa com raiva, medo ou tristeza.

Por exemplo:

– no trânsito, alguém dirige de uma forma que você desaprova. Como se sente?

– pessoas que não respondem suas mensagens. Como é para você?

– alguém que se atrasa para o encontro. Tudo bem?

– reuniões desastrosas, mau conduzidas. Como você fica?

– em momentos que você é acusado de responsabilidades que não são suas. Como age?

 

A autoanálise é a abordagem mais simples que tem, e por sua vez um caminho muito prudente para quem quer desenvolver sua inteligência emocional. Manter-se em alerta, observando-se constantemente, você será capaz de identificar os comportamentos que te afetam. Note que eu disse os ‘comportamentos’ e não as ‘pessoas’.  Isso porque as pessoas são mais que um comportamento. Desta forma você pode aprender que não são as pessoas que te afetam e sim os comportamentos delas. Essa compreensão é valiosa!

 

Peça que outras pessoas o avaliem, seja humilde em escutar.

Em seu ciclo de relacionamento, existem aqueles que você confia mais. Peça que lhe apontem momentos que você se comporta com certo ‘desequilíbrio’ emocional. Eles já sabem inclusive, basta uma abertura sua para que eles possam te falar. Mas tome cuidado para não rebater com palavras do tipo, ´nem sou assim’, ‘não foi bem desse jeito’, ‘mas também, quem aguenta’.

O objetivo aqui é que você tenha, além da sua própria percepção, a percepção de outras pessoas. Essa prática pode te surpreender.

 

 

Faça um teste de habilidades.

Considere que o tempo é um recurso que não se repõe. Então as suas habilidades de fazer as coisas bem-feitas fará de você, além de uma pessoa diferenciada, mais feliz. Pois quem tem resultados positivos, vive melhor, concorda?

Então verifique em suas atividades, quais são as habilidades que você tem e quais você deveria dar atenção para desenvolver.

Digo isso pois acredito que você fique triste ou com raiva, quando não consegue executar algo bem, não é mesmo?

Faça um teste. Comece uma atividade programada, com objetivo, tempo e performance bem estabelecidos, depois avalie como foi. E como se sente após a conclusão, ok?

Você agora tem mais de uma forma de avaliar sua inteligência emocional, espero que você tenha refletido um pouco a respeito desse importante assunto.

 

Para ir além, conheça o curso 4 Skills Intelligence – habilidades inteligentes em www.prosperedh.com.br

 

Um forte abraço,

 

Prospere

Giuliano Alcantara